Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

 

 

Por um conjunto de circunstâncias que não interessa aqui aprofundar, ultimamente tenho dado por mim a fazer compras no supermercado e na loja gourmet El Corte Ingles. (Nenhuma dessas circunstâncias passa por a) ter ganho o Euromilhões ou b) ter recebido dinheiro de subornos em off-shores.) Seja como for, uma vida inteira a caminhar para o MiniPreço ou para o Lidl, não nos prepara para frequentar sítios daqueles. É verdade que gosto de conhecer sítios novos e bem frequentados mas sinto-me deslocado. O espaço é fantástico, óptima música, bom ambiente e gente gira. Vê-se que quem ali vai é o género de pessoas que se veste bem para ir comprar rúcula e courgets.

Mas é por demais evidente que eu não pertenço aos habitués da casa. Ainda no outro dia, o segurança que estava à entrada da loja olhou para mim de alto a baixo. Até fiquei com medo que ele não me deixasse entrar. Estava mesmo à espera que se virasse para mim e me dissesse, "Desculpe, o consumo mínimo obrigatório são 150 euros". Mas vá lá. Foi uma sorte naquele dia ter calçado os sapatos vela que já têm mais de 10 anos.


Depois, lá dentro, há o dilema de encontrar produtos compatíveis com os meus rendimentos. reparem, nada na loja gourmet custa os olhos da cara. É pior, custa o ordenado do mês. Por ali não há marcas brancas ou genéricos. É tudo genuinamente bom (leia-se caro com'ó raio). Fico sempre com dúvidas se hei-de levar, por exemplo, um molho de mostarda de Katmandu ou poupar o dinheiro para comprar uma bicicleta. Tudo bem que os bifes não ficam tão bons mas sempre poderei dar belos passeios pela mata ao domingo de manhã.


Outro dos grandes problemas com que me deparo no El Corte Ingles são empregadas de caixa que sorriem. Onde é que já se viu uma coisa assim? Fico constrangido com pessoas que conseguem ser simpáticas e estar à frente de uma caixa registadora ao mesmo tempo. Como gajo classe média que sou, habituado a pessoas que parecem fazer-nos um grande favor por pegarem em mercearia (alheia), desconfio logo que se estejam a rir de mim por  fazer compras num sítio onde um pacote de esparguete custa o mesmo que o valor do PIB num pequeno país africano.


Em qualquer outro supermercado, quando nos perguntam “Quer algum saco?” o que elas querem realmente perguntar é “Está preparado para pagar do seu bolso um misero saco de plástico com asas, seu pobretanas?”. Ora, no Super Cor, não há essa atitude. Muito pelo contrário. Se eu comprar,um cacho de uvas são bem capazes de me oferecer um saco para cada bago.

 

 

 

 



publicado por Gervásio às 17:28 | link do post | comentar

13 comentários:
De A Besta a 29 de Maio de 2009 às 18:43
A mesma sensação que eu tive quando entrei no hotel pestana na Rocha com uma daquelas lancheiras da Campingaz.


De Francisco Janes a 30 de Maio de 2009 às 14:00
No 1º dia em que mudei de casa decidi fazer as compras essenciais no Hiper do Corte Inglês, o que é deveras estranho porque quem lá vai comprar o essencial pode contar com tudo menos chegar a casa, abrir os sacos e perceber como é que gastou tanto, em tão pouco.

Nunca mais! Mas o que nos move no El Corte é de facto a procura deste ou daquele artigo desconhecido, quase uma aventura em busca de um sabor desconhecido, embalado em pacote estilizado. Quando se descobre isso o preço torna-se um acessório: o estômago já disse à cabeça que aquilo é para devorar junto com umas batatas fritas, ketchup e coca cola. Nada feito.

O pior é que quando estamos de barriga cheia ir às compras é uma seca!


De A-lupa-de-alguem a 31 de Maio de 2009 às 12:16
Olá. Não fazia ideia que o supermercado do El corte inglês era assim tão caro. Como sou operadora de caixa interessa-me o assunto, tenho por habito comparar serviços e preços e o seu texto deixou-me alguma curiosidade ...


De pax a 31 de Maio de 2009 às 13:57
Descobri o seu blog hoje e li tudo o que escreveu como lia os livros dos Cinco na infância. Sem parar para respirar. Escrita fluente e correctíssima, humor inteligente, criatividade linguística. Muitos parabéns Faça favor de escrever sempre para meu deleite. Afinal, sou uma senhora sexagenária e mereço-lhe essa fineza.

Pax


De Paula a 1 de Junho de 2009 às 14:53
A sensação foi idêntica, à 1ª vez que entrei na Corporacion Dermoestética, para uma 1ª consulta por causa de um problema de pele.
Devia parecer uma extraterrestre...
:)


De Tomas a 24 de Junho de 2009 às 18:07
Quem nao deve nao teme....Também acho caro e patético....Mas faz parte da sociedade ambicionar-mos ter ou adquirir o que nao temos ou nao podemos, mas sonhamos, é como levar a miuda a jantar fino só porque queremos impressionar, em vez disso podiamos levar 3 ou 4 vezes durante um mês...Mas o nosso subconsciente é mais forte e diz-nos sempre "é só desta vez" mas depois esquecem-se do depois, que secalhar nem podem ligar porque nao tem dinheiro para carregar o tlm... É um pouco triste abdicar-mos muitas vezes de coisas essenciais para as superdeciais, mas vivemos numa sociedade consumista, e como se aprendia na escola é o individuo que se tem de adaptar a sociedade e nao a sociedade ao individuo....


De alvmarques a 22 de Julho de 2009 às 14:04
Não é bem assim.....
Trabalho na grande distribuição e sei do que estou a falar!
O El Corte Ingles (supermercado) ou se preferirem SUPERCOR, não é assim tão distante dos outros concorrentes. Nos produtos essenciais o preço é muito equilibrado (só não faz promoções tão agressivas como o Continente 50% e o Jumbo 60%) em alguns casos é mesmo mais barato, excepto nos produtos pereciveis (peixaria, talho e charcutaria) mas a excelencia da qualidade destes produtos no El Corte Ingles, fica a milhas de distancia dos demais concorrentes. Sem falar na qualidade de serviço, por exemplo, ir ao talho no continente e comprar uns bifes que veem com a gordura toda (e pagar por ela) metidos dentro de um saco "tudo ao mólho" não é a mesma coisa que os comprar no ECI, limpinhos (s/ gordura) e embalados em covetes na hora em que pedimos....
O blogger fala do GOURMET, e se for a outras lojas gourmet, o que é que encontra??? Os mesmos produtos carissimos ao nivel do Gourmet do ECI.
Muita gente diz que o ECI é caro só por dizer sem sequer ter entrado numa loja. Visitem, comparem e depois falem.... Vão ver que para a qualidade de serviço, produto e a simpatia de todos não tem preço


De cláudia a 25 de Fevereiro de 2010 às 17:36
Muito boas tardes,

Achei bastante curiosa a sua maneira de ver as coisas mas discordo consigo. na verdade, acho que não é só o dinheiro que traz felicidade e, por vezes, as pessoas com menos dinheiro são mais felizes do que pessoas com muito dinheiro.

Um sorriso não é sinal de querer algo em troca! Eu própria sou uma pessoa extremamente alegre, simpática e divertida e não me considero minimamente interesseira nem tenho nenhum interesse com isso. Gosto de conhecer pessoas quer tenham interesses e pontos de vista comuns ou não, é sempre uma mais valia;)

Cumprimentos


De haha a 23 de Junho de 2010 às 19:54
Meu caro,
Deve trabalhar no sector da concorrencia.
Tenho pena de si por lhe pagarem tao pouco, que nem lhe dao valor.e de nao poder disfrutar de sabores e divesidade gastronomica existente.

Efim tudo tem um preco, basta podermos e temos.

Quem nao aguenta sai...


De Ruben a 11 de Novembro de 2013 às 17:02
comentário tão ignorante o seu, lá porque você terá (digo eu) um ordenado superior a 1500€, não quer dizer que toda as pessoas tenham a possibilidade de pagar o valor que o ECI pede pelo produto, embora tenha mais qualidade, mas pobre que é pobre tem que olhar a carteira e há poupança..


De Anónimo a 21 de Dezembro de 2010 às 15:37
fhgdfghdf


De Anonimo a 25 de Novembro de 2015 às 16:12
Devemos ser pessoas coerentes


Comentar post

Humores, Ideias Fixas, Ideias Soltas, Dúvidas Existenciais, Teorias de Bolso e Outros Textos Incendiários

Saiba Mais Sobre o Livro
nunogervasio@gmail.com
arquivos

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Ligações
tags

actualidade

blog

humor

opinião

twitter

ideias

literatura

sit-down comedy

light

livro

nuno gervásio

very

curiosidades

espectáculo

factos

instituto franco-português

internet

peça

philippe minyana

teatro

acordeão

águas verdes do pacífico

candidatos

carnaval

cartão cidadão

chat

cientificos

cinema

coisas

convite

crítica

declaração

desenvolvimento

discurso

duvidas existenciais

económia

efeitos secundários

el corte ingles

elizabeth

elizabeth e as águas verdes do pacífico

esteves cardoso

fáceis

ferreira leite

garden state

ídolos

inquerito

inventados

jerónimo

jesus

joana amaral dias

júri

kate winslet

lançamento

lista

louçã

luísa ortigoso

luisa ortigoso

maradona

maria dias

maria eduarda dias

messenger

musculação

música

nua

observações

onomatopeia

oscares

parlamento

participantes

partidos

pevides

piadolas

piropos

playboy

político

políticos

portas

post

press release

programa

publicação

ralph fiennes

recessão

regulamento

salazar

scolari

segredos

sexo

silly season

sócrates

supermercado

televisão

the shins

tremoços

tvdesign.org

verão

voce sabia que

xukebox

todas as tags

Subscrever feeds