Quinta-feira, 08.01.09

 

 

Gostaria hoje de vos falar de um assunto que me incomoda e perturba bastante. O acordeão. Incomoda e perturba bastante sobretudo quando estou prestes a adormecer. E pior ainda é quando se juntam dois acordeonistas ao despique e a acelerar no instrumento que nem uns tresloucados. Mais valia espetarem-me logo com uma cavilha em cada ouvido que era com certeza uma experiência bem menos dolorosa.

 

É pra mim um mistério haver indivíduos que suportam o som de um acordeão. Não me parece humanamente possível. O acordeão não só tem o som mais incomodativo do universo como só pode ser responsável pela maior taxa de suicídios entre pessoas de bom-senso que têm o azar de ir parar a festas populares e não levar viatura própria. Não me interessa a História do Acordeão que se conta - que deve ser bem bonita e vir na Wikipédia e tudo - o que importa aqui realçar é que falamos de um instrumento musical que só pode ter sido inventado pelas mãos do próprio Belzebu.  Deus: harpas. Diabo: acordeões (até o plural é um inferno).

 

Mas dizia eu, o Demónio criou o acordeão porque achava que ainda não existiam coisas suficientes para se odiar - lembro que na altura ainda não existia spam nem as Tardes da Júlia. As palavras que terá preferido no momento da concepção do acordeão foram, e passo a inventar a citação, “Isto não é um piano, não é bem uma sanfona nem um fole para soprar brasas nem nada, querem lá ver que inventei o primeiro instrumento musical mutante? Espera lá, esta coisa até produz um som capaz de aborrecer um ser humano em coma. Bingo!”

 

Por tudo isto é que dizem por aí à boca pequena que o Quim Barreiros quando era adolescente fez um pacto com o Diabo. Ao que parece o jovem Joaquim era bastante imberbe mas tinha o sonho de exibir uma bigodaça valente. Daí que propôs trocar a sua alma por um bigode farfalhudo. Ao que o Diabo terá respondido: “Não quero a tua alma pra nada que ainda ontem caiu um avião cheio de advogados. Vais é andar uma vida inteira a trabalhar para mim que a malta das tunas não pode estar em todo lado. Ah, e já a agora levas um chapéu na cabeça que eu cá também tenho direito a rir-me um bocado.” Não sei a estória se passou exactamente assim, foi o que me contaram.

 



publicado por Gervásio às 12:56 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Humores, Ideias Fixas, Ideias Soltas, Dúvidas Existenciais, Teorias de Bolso e Outros Textos Incendiários

Saiba Mais Sobre o Livro
nunogervasio@gmail.com
arquivos

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Ligações
tags

actualidade

blog

humor

opinião

twitter

ideias

literatura

sit-down comedy

light

livro

nuno gervásio

very

curiosidades

espectáculo

factos

instituto franco-português

internet

peça

philippe minyana

teatro

acordeão

águas verdes do pacífico

candidatos

carnaval

cartão cidadão

chat

cientificos

cinema

coisas

convite

crítica

declaração

desenvolvimento

discurso

duvidas existenciais

económia

efeitos secundários

el corte ingles

elizabeth

elizabeth e as águas verdes do pacífico

esteves cardoso

fáceis

ferreira leite

garden state

ídolos

inquerito

inventados

jerónimo

jesus

joana amaral dias

júri

kate winslet

lançamento

lista

louçã

luísa ortigoso

luisa ortigoso

maradona

maria dias

maria eduarda dias

messenger

musculação

música

nua

observações

onomatopeia

oscares

parlamento

participantes

partidos

pevides

piadolas

piropos

playboy

político

políticos

portas

post

press release

programa

publicação

ralph fiennes

recessão

regulamento

salazar

scolari

segredos

sexo

silly season

sócrates

supermercado

televisão

the shins

tremoços

tvdesign.org

verão

voce sabia que

xukebox

todas as tags

Subscrever feeds